"Regresso devagar ao teu
sorriso como quem volta a casa..."

Manuel Antonio Pina

segunda-feira, 17 de março de 2014

A Cor do Alzheimer


Fotografia da Facepage Photographize.org

a cor do alzheimer

fui, não fui, já voltei
onde? quando? não sei!
pressa, inquietude, angústia

branco branco branco
- senhor de todas as horas

TucaKors


domingo, 16 de março de 2014

Caos


Crédito da Imagem: Facepage Fabrica da Escrita

Há um momento na vida
de terror definitivo,
de fracasso tremendo,
de sangrar a ferida.
Nada rende,
não há remendo,
nem consolo,
nem saída;
luta perdida.
A lágrima não significa,
o amor cruza os braços,
a saudade diz que vai,
e fica.

Ivone Boechat


segunda-feira, 10 de março de 2014

Ah, os relógios


Fotografia de Piotrus

Amigos, não consultem os relógios
quando um dia eu me for de vossas vidas
em seus fúteis problemas tão perdidas
que até parecem mais uns necrológios…

Porque o tempo é uma invenção da morte:
não o conhece a vida – a verdadeira -
em que basta um momento de poesia
para nos dar a eternidade inteira.

Inteira, sim, porque essa vida eterna
somente por si mesma é dividida:
não cabe, a cada qual, uma porção.

E os anjos entreolham-se espantados
quando alguém – ao voltar a si da vida -
acaso lhes indaga que horas são…

Mario Quintana 
em A Cor do Invisível


domingo, 9 de março de 2014


Fotografia de Fernando Campanella

Não precisa bater quando chegares.
Toma a chave de ferro que encontrares
sobre o pilar, ao lado da cancela,
e abre com ela
a porta baixa, antiga e silenciosa.

Entra. Aí tens a poltrona, o livro, a rosa,
o cântaro de barro e o pão de trigo.

O cão amigo pousará nos teus joelhos a cabeça.
Deixa que a noite, vagarosa, desça.
Cheiram a relva e sol, na arca e nos quartos,
os linhos fartos,
e cheira a lar o azeite da candeia.

Dorme. Sonha. Desperta. Da colméia
nasce a manhã de mel contra a janela.
Fecha a cancela
e vai. Há sol nos frutos dos pomares.

Não olhes para trás quando tomares
o caminho sonâmbulo que desce.
Caminha - e esquece.

Guilherme de Almeida


sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014


Fotografia de Alex Stoddard 

Adio o convite, provoco
a demora, deixas que escolha
todas as coisas. É depois
o lamento, quase o entardecer
da idade. Despeço-me mas sei
que nunca aí estive.

Só agora sei
que te perdi. Há tanto
tempo disseste
venho já . E ainda
aqui te espero
entre as velhas flores
e o pó da madeira
caindo.

Helder Moura Pereira



sábado, 25 de janeiro de 2014


25 de Janeiro de 2014 - 460 anos da Cidade de São Paulo - desconheço a autoria da foto

"...esta cidade
esta dona pétra
esta cidade
de beleza ferina
executiva de saia cinza
me embebe até a medula
de uma dulceamara ternura
entre fera e bela
entre estrela e estela 
esta
com sua graça petrina
multi-
vária multi-
tudinária
cidade minha (...)"


Haroldo de Campos


segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

"No Espelho"


Fotografia de Martin Waldbauer 

No espelho 
o olhar desaparece

às vezes desalojado
no meu próprio corpo

às vezes 
angustiado
pela angústia 
que rola
para lá e para cá como destroços
na rebentação

raspo com um dedo 
o vidro 
e oiço o mundo gritar.

Pia Tafdrup


domingo, 12 de janeiro de 2014

"em mim"


Fotografia de Stefano Bonazzi

a palavra em mim
na boca é rara
no papel dispara

a palavra em mim
na boca é pouca
no papel solta

a palavra em mim
na boca é rota
no papel rouca

a palavra em mim
na boca é latente
no papel semente

Dalva Nascimento

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

"Circo Clandestino"


"Prima Ballerina", de Edgar Degas

Às vezes eu virava
a primeira bailarina,
e dançar debaixo da lona
com sapatilhas de prata
era como acender cristais
numa noite muito escura,
e ia voando, tocando estrelas,
domando as nuvens,
rodando o mundo,
no meu circo clandestino.

Roseana Murray



segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

"Reconstituição"


Imagem da Facepage Colors For You

Tive de repente
saudade da bebida que eu estava bebendo...
tive saudade e tentei me lembrar que gosto faltava,
qual era a bebida...
Fui procurando entre copos e móveis
e dei com sua boca.

A saudade era dela
A bebida era o beijo.

Elisa Lucinda 


Interlúdio com ...

Will You Still Love Me Tomorrow - Norah Jones

Will You Still Love Me Tomorrow

Norah Jones

Tonight you're mine completely
You give your love so sweetly
Tonight the light of love is in your eyes
Will you still love me tomorrow?

Is this a lasting treasure
or just a moment pleasure?
Can I believe the magic of your sight?
Will you still love me tomorrow?

Tonight with words unspoken
You said that I'm the only one
But will my heart be broken
When the night meets the morning sun?

I like to know that your love
This know that I can be sure of
So tell me now cause I won't ask again
Will you still love me tomorrow?

Will you still love me tomorrow?
Will you still love me tomorrow?...

Postagens populares

Total de visualizações de página