"Regresso devagar ao teu
sorriso como quem volta a casa..."

Manuel Antonio Pina

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

"Regresso ao Lar"



Fotografia de Fernando Campanella

Ai, há quantos anos que eu parti chorando
deste meu saudoso, carinhoso lar!
Foi há vinte?... Há trinta? Nem eu sei já quando!
Minha velha ama, que me estás fitando,
canta-me cantigas para me eu lembrar!

Dei a volta ao mundo, dei a volta à vida.
Só achei enganos, decepções, pesar.
Oh, a ingênua alma tão desiludida!.
Minha velha ama, com a voz dorida.
canta-me cantigas de me adormentar!

Trago de amargura o coração desfeito
Vê que fundas mágoas no embaciado olhar!
Nunca eu saíra do meu ninho estreito!
Minha velha ama, que me deste o peito,
canta-me cantigas para me embalar!

Pôs-me Deus outrora no frouxel do ninho
pedrarias de astros, gemas de luar.
Tudo me roubaram, vê, pelo caminho!
Minha velha ama, sou um pobrezinho
Canta-me cantigas de fazer chorar!

Como antigamente, no regaço amado
(Venho morto, morto!...), deixa-me deitar!
Ai o teu menino como está mudado! 
Minha velha ama, como está mudado!
Canta-lhe cantigas de dormir, sonhar!

Canta-me cantigas manso, muito manso
Tristes, muito tristes, como à noite o mar.
Canta-me cantigas para ver se alcanço 
que a minha alma durma, tenha paz, descanso,
quando a morte, em breve, ma vier buscar!

Guerra Junqueiro 
em Os Simples


7 comentários:

Ana Tapadas disse...

Querida Flor,
há quanto tempo não lia este poema...
Que saudades daqui!

Beijinho grande

Juliana Lira disse...

Belíssimo Dalva!!!

Tava com saudades, mudei o layout do reticências, mexi no html e tinha perdido os meus links.
Por sorte te vi no comentário de um outro blog e reencontrei. *-----*

Milhões de beijos

Bípede Implume disse...

Olá Flor
Tal como a Ana, este poema fez-me voltar aos bancos do liceu.
Nessa altura, quando alguma professora faltava à aula, tínhamos aulas de substitição. Isto é, uma outra professora vinha ocupar aquele tempo. E havia professoras que pediam às meninas que soubessem poesia para recitar alguns poemas. Este era um dos escolhidos, não por mim que não tinha muito jeito para isso.
Talvez, quem sabe, hoje goste tanto de poesia... e de flores.
Beijinho muito grande
Isabel

Tucha disse...

Um poema com sabor de antigamente... lindo...

Juliana Lira disse...

Ah que lindo!

Fez meu domingo mais feliz.

Milhões de beijos

Hugo de Oliveira disse...

Que saudades do seu blog Flor. Belo poema.

Essa música que toca aqui me lembra um amigo que se foi há 12 anos atrás. Na semana do acidente que levou a sua morte ele só ficava ouvindo essa música...E sempre dizia a todos que era a música que ele mais gostava do Legião. E então...sempre que escuto é como se ele estivesse ao meu lado, na minha frente...

Triste demais...mas tenho boas lembranças.

Abraços Flor ...e desculpas por esse desabafo aqui,

Maria José Rezende disse...

Que poema maravilhosos. Beijos.

Interlúdio com ...

Will You Still Love Me Tomorrow - Norah Jones

Will You Still Love Me Tomorrow

Norah Jones

Tonight you're mine completely
You give your love so sweetly
Tonight the light of love is in your eyes
Will you still love me tomorrow?

Is this a lasting treasure
or just a moment pleasure?
Can I believe the magic of your sight?
Will you still love me tomorrow?

Tonight with words unspoken
You said that I'm the only one
But will my heart be broken
When the night meets the morning sun?

I like to know that your love
This know that I can be sure of
So tell me now cause I won't ask again
Will you still love me tomorrow?

Will you still love me tomorrow?
Will you still love me tomorrow?...

Postagens populares

Total de visualizações de página